A bondade pode ser ensinada?

Graças a um desafio do Dalai Lama, uma série de pré-escolas estão tentando ensinar algo que nem sempre foi considerado um sujeito acadêmico: a bondade.

“Você pode olhar para dentro de si mesmo e me dizer o que está sentindo?” Danielle Mahoney-Kertes perguntou a uma classe de estudantes de pré-escola em P.S. 212 em Queens recentemente.

“Feliz”, uma garota ofereceu. “Doente”, disse outro. Um menino com uma camiseta azul deu um polegar tímido para baixo. “Isso também acontece”, afirmou a Sra. Mahoney-Kertes, treinadora de alfabetização.

O exercício fazia parte do Curriculum da Bondade, desenvolvido pelo Centro de Mentes Saudáveis ​​da Universidade de Wisconsin, Madison, em que pré-escolares são introduzidos em um potpourri de jogos sensoriais, músicas e histórias que são projetados para ajudá-los a prestar mais atenção aos seus emoções.

“Nosso mundo é meio que um lugar assustador”, disse Mahoney-Kertes. “Não podemos sempre controlar o que está acontecendo fora de nós. Mas o que nós estamos ensinando é que eles podem controlar como eles respondem “. Desde que o currículo foi introduzido em agosto, mais de 15 mil educadores, pais e outros de todo o mundo se inscreveram para isso.

P.S. 212, que está em um bairro em Jackson Heights, que é o lar de muitos imigrantes novos, foi uma das primeiras escolas públicas da cidade de Nova York a apresentar práticas baseadas na mente, como yoga. O Curriculum da Bondade, que incorpora atenção plena, era um ajuste natural. “Uma criança pode entrar e dizer:” Meu pai foi deportado ontem à noite. “Como você lida com isso?”, Disse o diretor da escola, Carin Ellis. “Nós lhes damos ferramentas para lidar com suas dores e dor”.

 

A Sra. Ellis acredita que o Kindness Curriculum também ajudou as crianças a controlar o estresse dos testes padronizados e reduzir os conflitos interpessoais.  “Quando você não é amável com o outro, geralmente é por algo sobre nós mesmos e como estamos nos sentindo”, disse ela. “Se as crianças podem pegar um momento e apenas respirar, elas podem evitar atuar contra os outros”.  A pesquisa liderada pela psicóloga clínica Lisa Flook mostrou que os jovens que receberam o treinamento de bondade tornaram-se mais altruístas em testes que mediram sua vontade de compartilhar com os outros. Também fortaleceu a capacidade das crianças de se concentrar e aumentou modestamente seu desempenho acadêmico.

Alguns argumentam que as habilidades emocionais são melhor ensinadas pelos pais do que pelos professores. Mas o Dr. Flook ressalta que, quando as crianças chegam à sala de aula com ansiedade, raiva ou medo, muitas vezes estão muito distraídas para focar. “Crianças que têm relações positivas com seus colegas e professores fazem melhor na escola”, disse ele.

Eles também podem melhorar futuramente na vida. Um estudo de 2015 que rastreou os jardins de infância para a idade adulta jovem descobriu que indivíduos com boas habilidades prosociais – comportamento positivo, útil e amigável – tendiam a ser mais bem sucedidos como adultos do que aqueles que faziam bem em assuntos como leitura e matemática, mas faltavam a capacidade de obter juntamente com outros. The Kindness Curriculum faz parte de um movimento global crescente para ensinar inteligência emocional nas escolas. Os defensores desta abordagem dizem que é míope para os professores se concentrarem estreitamente na aprendizagem intelectual e ignorar as habilidades emocionais cooperativas que permitem aprender – e aprender – a florescer.

Ainda assim, alguns questionam se os traços de personalidade, como a bondade, podem ser ensinados. Richard Davidson, o fundador do Center for Healthy Minds, acredita que a antiga sabedoria budista fornece pistas. Ele foi inspirado, disse ele, por um pedido do líder espiritual do Tibete, o Dalai Lama, que pediu que ele tomasse conhecimento da prática contemplativa fora de seu contexto religioso e os usasse para desenvolver estratégias para ajudar a melhorar a vida das pessoas. Os meditadores budistas observam suas sensações e sentimentos corporais para criar uma sensação de calma que se destina a promover a compaixão.

A própria pesquisa do Sesame Street levou seu foco à bondade. Em uma pesquisa nacional de 2.502 pais e professores, mais de três quartos disseram que muitas vezes se preocupavam que “o mundo é um lugar cruel para as crianças”.

Aproximadamente, a mesma porcentagem dizia que era mais importante para as crianças aprender bondade do que ficar bem nas notas.  O Dr. Davidson disse que o período entre as idades de 4 e 7 é uma janela de desenvolvimento crítico quando o cérebro está se reorganizando e particularmente aberto a aprender novas informações (como línguas estrangeiras), além de desenvolver hábitos psicológicos ao longo da vida.

Para ter um impacto duradouro, ele disse, as lições emocionais ensinadas aos pré-escolares precisam ser reforçadas à medida que as crianças envelhecem.

Um programa que trabalha com gentileza com os alunos mais velhos, a “Kind Campaign”, fundada em Los Angeles, fundada em 2009, organiza assembléias da escola média e alta que visam o problema do bullying entre mulheres jovens. As meninas são convidadas a escrever uma “amável desculpa” e entregá-la a alguém que eles tenham cometido um erro.

Outro grupo, a Fundação Random Acts of Kindness, desenvolveu planos de aula para todas as faixas etárias através do ensino médio. Os alunos são guiados nas discussões em sala de aula e pediram ações positivas, como sentar-se com alguém que está sozinho no refeitório e escrevendo cartas de agradecimento imaginativas para o futuro deles.   “A bondade para si mesmo é uma chave”, disse Brooke Jones, vice-presidente da fundação. “Quando dizemos que você falhou em um teste, você se diz” eu sou estúpido “, ou você diz para si mesmo:” Eu tenho mais para aprender? “Nós nos concentramos na importância de as crianças acreditarem em si mesmas”.

A Sra. Mahoney-Kertes ressalta, no entanto, que os educadores devem praticar o que pregam para que suas lições sejam verdadeiramente eficazes. “Os professores precisam trabalhar em si mesmos. Eles precisam se tornar exemplos da bondade que eles estão tentando ensinar “.

Referência:

https://mobile.nytimes.com/2017/12/14/well/family/kindness-curriculum-preschool.html?referer=https://t.co/redirect?url=https%3A%2F%2Fwww.nytimes.com%2F2017%2F12%2F14%2Fwell%2Ffamily%2Fkindness-curriculum-preschool.html&t=1+1513644782041&cn=ZmxleGlibGVfcmVjc18y&sig=9bf016e161df0ba65d3c9e4110204145bbdeadda&iid=81960dd700dc4880be3e204df6f57ae8&uid=1560433976&nid=244+272830465

Você sabe o que é neuróbica?

Neuróbica é o ato de exercitar nossos neurônios a fim de tornar nosso cérebro mais forte, rápido e saudável.

É uma descoberta da neurociência que afirma que nosso cérebro é capaz de sempre melhorar e mudar o padrão de suas conexões (sinapses), com métodos inseridos em nosso cotidiano.

Neuróbica é mudança de rotina

 1 – Se você usa mais o lado direito, troque pelo esquerdo em suas atividades mais simples e vice-versa.  Exemplo:  escove os dentes com a mão esquerda se você é destro, troque o relógio de pulso, use o  garfo ou  escreva com a mão esquerda, etc.

Continue lendo

Por que os alunos esquecem os conteúdos?

Muitas vezes pensamos em lembranças como livros em uma biblioteca, arquivados e acessados ​​quando necessário. Mas eles são realmente mais como teias de aranha, vertentes de lembrança distribuídas em milhões de neurônios conectados. Quando aprendemos algo novo ou quando um professor entrega uma nova lição para um aluno, por exemplo – o material é codificado através dessas redes neurais, convertendo a experiência em uma memória.

Esquecer é quase imediatamente o inimigo da memória, como o psicólogo Hermann Ebbinghaus descobriu na década de 1880. Ebbinghaus foi pioneiro na pesquisa histórica no campo da retenção e aprendizagem, observando o que ele chamou de curva de esquecer, uma medida de quanto esquecemos ao longo do tempo. Em suas experiências, ele descobriu que, sem qualquer reforço ou conexão com o conhecimento prévio, as informações são rapidamente esquecidas – cerca de 56% em uma hora, 66% após um dia e 75% após seis dias.

Então, o que pode ser feito para preservar o árduo trabalho de ensino?

Continue lendo

5 dicas para ajudar seu filho perfeccionista

Para muitos pais, as lições de casa ou estudos para provas são verdadeiras batalhas  a serem vencidas todas as noites. Para esses pais felicidade seria  ter crianças auto-motivadas, e muito preocupadas com o sucesso na escola. No entanto, este extremo oposto pode ser tão difícil quanto para pais e filhos.

Algumas crianças estão tão preocupadas em atingir excelência em tudo o que fazem, que colocam extrema quantidade de pressão sobre si mesmo para ter sucesso, e acabam desmoronando quando não conseguem. As crianças que são perfeccionistas, muitas vezes têm uma visão distorcida do que significa sucesso; eles podem ficar descompensados  se errarem apenas uma questão em um teste difícil. Essas crianças tendem a projetar planos com metas, por vezes impossíveis, mas fazem tudo o que podem para alcançar essas metas.

 

Se seu filho tem este perfil, aqui vão algumas dicas para ensiná-lo a lidar melhor com isso.

1 Embora a pressão para ser perfeito muitas vezes pareça vir da própria criança, avalie as mensagens que você está dando ao seu filho. Mesmo que você diga que notas altas ou medalhas de primeiro lugar não importam para você, se a criança ouvir você ressaltar isso o tempo todo, ela pode sentir uma dose de ansiedade e pressão. Seu filho precisa entender que seu amor é incondicional e não está relacionado às notas da escola. Tome o cuidado de sempre apontar outras maneiras pelas quais ele faz você se sentir orgulhoso.

2 Encontre atividades para o seu filho em que ele não vá ser o melhor. Ajude-o a aprender a lidar com tal situação. Não deixe que ele interrompa a atividade só porque é difícil ou desconfortável e o faça ver que resultados medianos também são bons e que nem sempre ele terá o resultado máximo.

3 Tenha um mantra em sua casa como: “Todo mundo comete erros ou possui obstáculos. O importante é o que você aprendeu para a próxima vez”.  Não ignore a ansiedade de seu filho na escola com comentários como: “Não se preocupe, eu sei que você vai conseguir um 10, você sempre consegue!” Mesmo que você possa ter boas intenções, a criança pode interpretar comentários como estes como mais pressão para manter seu desempenho. Em vez disso, diga-lhe que o que importa é ele colocar esforço suficiente para aprender o material, não importando a nota que tiver.

4 Se seu filho está gastando muito tempo com atividades da escola, defina um limite de tempo para que ele pare de estudar e relaxe um pouco. Explique a situação para o professor do seu filho e peça ajuda com o que você está tentando ensinar para ele.

5 Procure livros e filmes que ofereçam modelos de pessoas reais ou personagens que conseguiram vencer após uma série de fracassos. Seja um bom modelo para seu filho ao não considerar-se perfeito e mostre ao seu filho como você lida com erros. Aponte o que você fez e como você aprendeu com os próprios erros, pois no fim eles se espelham muito nos pais.

 

5 dicas para você dormir melhor

Tem dificuldades para dormir? Acorda no meio da noite ou tem dificuldades para levantar no outro dia? Aqui vão algumas dicas de como ter uma noite melhor de sono,e assim acordar com mais disposição.

 

1 Deixe o ambiente confortável

A primeira coisa para ter uma boa noite de sono é investir em um local confortável. Desligue tudo que possa gerar barulho ou luz e deixe o ambiente com aromas relaxantes como camomila ou lavanda. Além disso, aposte em roupas confortáveis, que não possam te machucar enquanto você descansa.

 

2 Alimentação

Não consuma alimentos pesados a noite e evite café ou alimentos que possam atrapalhar seu sono. Ao invés disso, aposte em chás leves  como camomila e chá de maracujá e prefira frutas, como banana e maça caso a fome apareça
Continue lendo

6 Coisas pelas Quais as Mães não Deveriam se Sentir Culpadas, Mas se Sentem Mesmo Assim

Trabalho

Mães que trabalham têm uma dura batalha a cada dia. Por vezes é difícil deixar o filho com outra pessoa e enfrentar uma enxurrada de comentários super-insensíveis no trabalho, já que todos querem dar sua opinião. Mas só a própria mãe e o seu parceiro sabem o que é importante para a família deles.

A melhor alternativa é colocar os dedos nos ouvidos e ignorar os comentários alheios, porque ainda que sentada em sua mesa de trabalho, a mãe continua exercendo sua maternidade. Além disso, quando o relógio bate 17:00 horas, ela está de volta para o modo exclusivo de mãe.

Nutrição da Criança

Hm, essa barra de granola é mesmo orgânica? Alimentar o seu filho com qualquer coisa menos do que uma dieta de alimentos paleo-whole (sem leite, açúcar, trigo e glúten), pode gerar uma reação negativa de seu amigo esnobe, mas não deve fazer você se sentir muito culpada. A nutrição é importante na alimentação do seu filho, por isso dê para ele alimentos saudáveis e fortes, esse é o verdadeiro bom senso. Assim se você ficar fora em uma noite e cair nos braços confortáveis e convenientes de um “McLanche Feliz”, nós não julgamos. Nenhuma criança morreu do ocasional McNuggets.
Continue lendo

A importância das relações entre alunos e professores

O aprendizado não flui bem sem os relacionamentos entre os alunos e professor. Na classe, as regras são importantes, mas como muitos de nós sabemos que o aprendizado leva anos, as relações importam muito mais. Uma forma de aprofundar nossa relação com os alunos é compartilhar um pouco sobre nós mesmos com eles, e criar oportunidades para eles compartilharem sobre eles também com os outros.
É claro que as regras, a rotina e as políticas são cruciais de serem expostas aos alunos no primeiro dia, assim eles saberão o que esperar, pois aprendemos cedo em nossa profissão de professores que ser firme e claro sobre as expectativas em classe desde o início farão toda a diferença para o tipo de ano que iremos ter.
Mas antes de compartilhar as regras e expectativas, o que acha de introduzir alguns slides sobre características que mostrem aos alunos sobre você? Há algumas informações gerais que você pode dizer como: detalhes sobre sua família, onde você se formou, lugares onde trabalhou antes de dar aula, etc. Você também pode adicionar algumas outras coisas que passou em sua vida, como: Continue lendo

Ferramentas digitais e a distração na escola

 

Desde que os computadores se tornaram menos caros, muitas escolas estão optando em ter máquinas de baixo custo como ferramenta de apoio nas salas de aula. Ao mesmo tempo em que isso abriu as portas de novas formas de aprendizagem mais empolgantes, com estes dispositivos – como os smartphones dos alunos- vieram algumas mudanças, incluindo o fator distração.

Como podemos ensinar os alunos a integrar a tecnologia em suas atividades escolares e seu aprendizado, ao mesmo tempo em que estamos certos de que eles estão focados na tarefa escolar solicitada?

Em um artigo, “With tech tools, how should teachers tackle multitasking in class?/ Com as tecnologias, como os professores podem abordar multitarefas em sala?”, Holly Korbey explora pesquisas em torno de estudar os hábitos de alunos e conversar com professores veteranos sobre suas experiências usando tecnologias na sala de aula. Muitos descrevem os desafios de manter as crianças focadas em um ambiente de alta tecnologia, outros dizem que o difícil é que quando os alunos não tem um trabalho desafiador, ficam entediados e entram nas mídias sociais. Já outro professor, originalmente tinha uma política da não tecnologia em sua classe, assim, ele poderia estar assegurado de que os alunos estavam engajados e focados. O artigo também compartilha histórias de adolescentes que descobriram que eles focam melhor quando seus celulares estão fora de vista.

Continue lendo

Com o NaturePHL, os médicos da Filadélfia estão prescrevendo visitas ao parque

 

Em uma sala escura no CHOP Primary Care, Cobbs Creek, o médico Chris Renkilian ligou um projetor e informou médicos, enfermeiros e outros funcionários sobre uma nova intervenção que o escritório começará a oferecer aos pacientes sob seus cuidados.

O avanço médico em questão? Reprodução ao ar livre com prescrição.

“Como pediatras de cuidados primários, um de nossos objetivos é ajudar as crianças a se tornarem mais ativas. A Academia Americana de Pediatria (The American Academy of pediatrics) recomenda 60 minutos por dia de atividades no exterior” disse ele. “Isso é algo que já passamos muito tempo buscando e conversando com as famílias”.

Agora, eles realmente poderão prescrever isso, sob a forma de planos de ação personalizados e detalhados, adaptados para conectar as crianças com o sistema de parques de Filadélfia no momento em que as crianças estão passando menos tempo na natureza do que o que os médicos recomendam ser necessário para um saudável desenvolvimento de habilidades motoras, competência social, habilidades de solucionar problemas e até mesmo para a visão. É um antidoto para a peste que o psicólogo Richard Louv descreveu como o transtorno do déficit natural.
Continue lendo

Do It Yourself – monte sua própria casinha

Que tal ter uma casinha que você mesmo(a) montou? Com este manual, você pode monta-la de forma simples, divertida e praticamente sem nenhum custo. Basta recortar, montar e colar conforme as instruções!

 


Referência: http://www.colorcutandcreate.com/i_cut_and_fold.php