Com o NaturePHL, os médicos da Filadélfia estão prescrevendo visitas ao parque

 

Em uma sala escura no CHOP Primary Care, Cobbs Creek, o médico Chris Renkilian ligou um projetor e informou médicos, enfermeiros e outros funcionários sobre uma nova intervenção que o escritório começará a oferecer aos pacientes sob seus cuidados.

O avanço médico em questão? Reprodução ao ar livre com prescrição.

“Como pediatras de cuidados primários, um de nossos objetivos é ajudar as crianças a se tornarem mais ativas. A Academia Americana de Pediatria (The American Academy of pediatrics) recomenda 60 minutos por dia de atividades no exterior” disse ele. “Isso é algo que já passamos muito tempo buscando e conversando com as famílias”.

Agora, eles realmente poderão prescrever isso, sob a forma de planos de ação personalizados e detalhados, adaptados para conectar as crianças com o sistema de parques de Filadélfia no momento em que as crianças estão passando menos tempo na natureza do que o que os médicos recomendam ser necessário para um saudável desenvolvimento de habilidades motoras, competência social, habilidades de solucionar problemas e até mesmo para a visão. É um antidoto para a peste que o psicólogo Richard Louv descreveu como o transtorno do déficit natural.

Lançando em agosto sob a forma de um programa piloto nos escritórios de atenção primária da CHOP em Cobbs Creek e Roxborought. A NaturePHL será uma parte padrão de todos os check-ups para crianças de 5 a 12 anos, integradas diretamente em seus registros médicos eletrônicos.

Todo paciente será rastreado e receberá uma breve mensagem sobre a importância de fazer atividades externas, e encaminhado para um novo site, NaturePHL.org, que fornece um guia para parques locais. Alguns – talvez aqueles que lutam com obesidade ou transtorno de déficit de atenção – irão obter aconselhamento mais abrangente; uma detalhada prescrição do parque para atividade ao ar livre, como uma caminhada, caça ao tesouro ou uma visita a um parque infantil; e um encaminhamento para um “navegador da natureza”. Isso é uma comunidade da saúde que vai ajudar criando um detalhado plano, descobrindo como superar barreiras para sair ou até mesmo se juntar ao paciente em uma visita ao parque.

Os organizadores da Filadélfia pretendem realizar o estudo mais completo ainda sobre se tais programas funcionam e a melhor forma de realiza-los. Eles esperam analisar se o programa levará os médicos a falar sobre a importância do jogo ao ar livre, se as crianças do programa realmente passam mais tempo fora de casa, e que efeito, se houver, tem em sua saúde e bem-estar.

Isso pode envolver o uso de rastreadores de GPS para verificar se as crianças estão cumprindo com as prescrições ou monitorando mudanças na frequência cardíaca, pressão arterial, níveis de cortisol (que indicam estresse), força de núcleo e atenção do paciente.

“A história do NaturePHL é realmente uma história de metas compartilhadas. Os advogados dos parques de Filadélfia querem encorajar a usar o espaço verde”, disse ele. “E eu acho que vários pediatras lutam porque eles sabem que eles tem a responsabilidade de falar para seus pacientes e famílias sobre atividade física e jogos fisicamente ativos, mas isso é realmente difícil de se fazer. Nós sentimos falta de dar conselhos que são eficientes, mas também suficientemente pessoais, locais e específicos. Há uma barreira neste conhecimento. Muitos pediatras não vivem no mesmos bairros que seus pacientes, e nós estamos muito conscientes disso.”

NaturePHL tem o objetivo de superar essa barreira com um website que mapeie os parques da Filadélfia e liste lugares como playgrounds, banheiros, piscinas, e acessos para cadeirantes.

Tais iniciativas a nível nacional mostraram sucesso no passado. Uma, Reach out and read, direcionava a literatura fornecendo uma breve mensagem de um pediatra, junto de um novo livro, para crianças pequenas durante os exames. Pesquisadores descobriram que o resultado foi o desenvolvimento do idioma infantil avançado de três a seis meses.

“Nós somos os únicos que teremos que fazer isso. Isso tem que ser prático”, disse Renjilian ao grupo na CHOP. “Mas, para crianças com obesidade, além de dizer-lhes para sair, não havia nada para dar-lhes. Agora nós temos o NaturePHL”.

 

Traduzido e adaptado de: http://www.philly.com/philly/health/kids-families/why-philly-doctors-are-prescribing-park-visits-to-city-kids-20170706.html