O Programa

 

Os programas Fast ForWord são baseados em mais de 30 anos de investigação científica sobre como o cérebro aprende.

O programa  Fast ForWord foi desenvolvido a partir do trabalho dos cientistas Dr. Michael Merzenich e Dr. Bill Jenkins, da Universidade da Califórnia, em San Francisco, e de Dra. Paula Tallal e Steven Miller na Universidade de Rutgers, em Nova Jérsei. Clique aqui para saber mais sobre eles.

Neuroplasticidade
Muitos neurocientistas têm descrito a plasticidade do cérebro como a maior descoberta da medicina moderna. A neuroplasticidade refere-se à capacidade da rede do cérebro, como um todo, para mudança.

Anteriormente acreditava-se que os caminhos e circuitos em nossos cérebros são geneticamente pré-determinados. No entanto, é agora bem conhecido que o cérebro tem a capacidade de modificar, não apenas a partir do nascimento, mas também durante toda a vida adulta. Quando novas informações – como a linguagem e as observações do ambiente – são continuamente experimentadas, os novos neurônios e os caminhos são formados permitindo memória dessa nova informação. Apesar de mais presentes durante a infância, esse processo é observado durante toda a vida adulta.
Neuroplasticidade também tem sido amplamente reconhecida em pessoas com lesões cerebrais. Em resposta a uma atividade repetitiva, o cérebro é capaz de compensar os danos a uma área, reconhecendo e formação de novas conexões entre os neurônios intactos em uma área não-danificada. Por exemplo, uma paralisia parcial pode ser superada por conta da neuroplasticidade. Há casos em que após uma atividade contínua e repetitiva de um membro imobilizado o indivíduo tem ao longo do tempo chance de criar novas ligações e a memória de movimento.

Não é só na infância e em resposta ao dano do cérebro que os efeitos da neuroplasticidade pode ser observada. Extensa pesquisa científica tem demonstrado que os neurônios estão constantemente se conectando e formando caminhos, em resposta à aprendizagem. Por exemplo, demonstrou-se que músicos que possuíam regiões do cérebro ligadas à prática de instrumentos musicais mais ativadas que não músicos. Ou por exemplo pessoas que aprendem novos idiomas, onde a prática constante e repetitiva dos elementos subjacentes da fala podem levar à formação de novas ligações neuronais, permitindo assim que vias eficientes para utilização da linguagem.

Em relato sobre a plasticidade neuronal e o programa Fast ForWord pode ser lido no capítulo 3 do livro de Norman Doidge, o cérebro que se Transforma. Clique aqui para ter acesso ao capítulo do livro e outros vídeos sobre plasticidade.

Pesquisa
Pesquisas realizadas no desenvolvimento do Fast ForWord indicaram que os principais atributos cognitivos que definem a capacidade do aluno para compreender instruções em sala de aula podem ser melhorados por meio de uma intervenção intensiva nas áreas de memória, atenção, processamento e sequenciamento.

Os cientistas descobriram que, usando a tecnologia de voz acusticamente modificada, os alunos podem aprimorar habilidades de linguagem, tais como consciência fonológica, consciência fonêmica, fluência, vocabulário, compreensão, decodificação, sintaxe, gramática e outras habilidades que antes eram inacessíveis a eles.

Quer ter acesso à essas pesquisas? Escreva para nós em [email protected]

Assista alguns links que explicam melhor o Fast ForWord:

Vídeo que mostra o Fast ForWord.

Vídeo que apresenta a Ciência por trás do Fast ForWord.

Download do Capítulo 3 do livro ” O Cérebro que se Transforma” do autor Norman Doidge para que possa ver publicamente o que já foi escrito sobre o programa Fast ForWord: Download