Buscar
  • Casa Cuca Ferramentas Ensino

DESMISTIFICANDO AS DIFICULDADES DE APRENDIZADO

Você pode gerenciar seu blog em qualquer lugar com mais facilidade e conveniência. No post desse blog vamos compartilhar dicas de como escrever seu post no Wix Blog.


As dificuldades de aprendizagem comumente aparecem no contexto escolar em que há uma expectativa de desenvolvimento acadêmico que, caso não seja realizada , evidencia as dificuldades e deficiências do aluno. A escola inicialmente se propõe a ensinar este aluno e no decorrer do processo envolve os pais, sugerindo, na maioria das vezes, que questões sejam levadas a pediatras, ou a neurologistas, para que se inicie um processo de avaliação da dificuldade presente no aluno em questão


Segundo Hubner & Marinotti (2004), no contexto educacional e familiar, as dificuldades de aprendizagem tendem a ser atribuídas às próprias crianças ou ao adolescente. O aluno não consegue acompanhar a escola e por isso precisa de ajuda. Com isso, dificuldades para ler, escrever, calcular ou manter a atenção nas atividades são interpretadas de acordo com a inadequação de cada um à proposta escolar. As crianças e os adolescentes que apresentam tais dificuldades são, muitas vezes, considerados preguiçosos e incapazes, sendo até punidos por meio de reprovações, castigos e críticas. (Hubner & Marinotti, 2004; Regra, 2004)


Entende-se que problemas inerentes ao nosso próprio sistema de ensino também podem influenciar a manutenção desse padrão de interação e no estabelecimento das dificuldades de aprendizagem da criança e do adolescente. A tradição de ensino no Brasil enfatiza no ensino dos conteúdos e não nas habilidades indispensáveis para a aquisição dos mesmos. É sabido que para um bom desempenho escolar, os estudantes dependem da aquisição de certos pré-requisitos educacionais (habilidades socioemocionais) como: a aceitação de frustrações e o estabelecimento de um repertório de seguir regras (Regra, 2004; Zins, Weissberg & Walberg, 2004). Crianças que não aprendem essas habilidades podem estar fadadas a falhar no sistema educacional, mesmo que não estejam submetidas a condições orgânicas que dificultem a aprendizagem (Cornwell, Mustard, & Van Parys, 2013).


Alunos com dificuldade de aprendizagem podem se beneficiar quando pais, educadores e profissionais de saúde participam ativamente desse processo de avaliação e intervenção. Uma proposta de trabalho que se restringe ao consultório do psicólogo ou do pedagogo reitera a noção de que o indivíduo “é portador” de uma dificuldade, e exclui a importância do ambiente no qual essa dificuldade se apresenta para o tratamento. É necessário avaliar como o ambiente social da criança influencia os comportamentos acadêmicos, os estímulos públicos e privados referentes à aprendizagem, as interações da criança com professores e família, e a maneira que as dificuldades provenientes de condições orgânicas específicas se apresentam nesse ambiente (Feitosa, del Prette & Matos, 2006). É na intersecção dessas características que a dificuldade de aprendizagem deve ser avaliada e trabalhada


É importante realçar que a criança com dificuldade de aprendizagem muitas vezes não entende a própria condição, e acaba sofrendo com baixa autoestima e falta de motivação para a vida acadêmica. Infelizmente as facilidades desses alunos não são valorizadas. As habilidades já existentes são as principais ferramentas para auxiliar no aprendizado.

A mudança de perspectiva sobre a dificuldade de aprendizado pode fazer grande diferença na vida dessas crianças e adolescentes. Acreditar nas potencialidades, e aceitar a dificuldade como uma maneira particular de aprender são os primeiros passos para uma intervenção de sucesso.

Por Letícia Lyle, e Thais Guimarães


Referências

Cornwell, C., Mustard, D. B., & Van Parys, J. (2013). Noncognitive Skills and the Gender Disparities in Test Scores and Teacher Assessments: Evidence from Primary School. Journal of Human Resources, 48(1), 236-264.

Feitosa, F. B., Matos, M. D., & Del Prette, Z. A. P. (2006). Definição e avaliação das dificuldades de aprendizagem (I): Os impasses na operacionalização dos distúrbios de aprendizagem. Revista de Educação Especial e Reabilitação, 4(13), 33-46.

Hubner, M. M. & Marinotti, M. (2004). Revisitando diagnósticos clássicos relativos às dificuldades de aprendizagem. Em M. M. C Hübner & M.Marinotti (Orgs.). Análise do Comportamento para a Educação: Contribuições recentes. Santo André: ESETec Editores Associados, pp. 307-317..

Regra, J. (2004). Aprender a estudar. Em M. M. C Hübner & M.Marinotti (Orgs.). Análise do Comportamento para a Educação: Contribuições recentes. Santo André: ESETec Editores Associados, pp. 225-242.

Zins, J. E., Weissberg, R. P., & Walberg, H. I. (2004). Building Academic Success on Social and Emotional Learning.


#dicasdeblog #WixBlog

0 visualização
ABOUT

contato@acasacuca.com

(11) 3569-4028

Rua Purpurina, 155 cj 47

SOCIAL
  • Instagram - White Circle
  • Facebook - White Circle

© 2023 by DATO. Proudly created with Wix.com